arXiv Vanity renders academic papers from arXiv as responsive web pages so you don’t have to squint at a PDF. Read this paper on arXiv.org.

BRUNO CARVALHO NEVES


UM MODELO DE GRAVITA O TIPO-TOPOL GICO EM UM ESPA O-TEMPO D

Tese apresentada Universidade Federal de Vi osa, como parte das exig ncias do Programa de P s-Gradua o em F sica Aplicada, para obten o do t tulo de Doctor Scientiae.

VI OSA

MINAS GERAIS - BRASIL

2016

See pages - of ficha1.pdf

See pages - of assinatura.pdf

minha fam lia e amigos.

\cjRL

h"\cjRLb

\cjRL

hw’ hyh ’wmr ; ’M ’yN ’ny ly my ly wk+s’ny l‘.smy mh ’ny w’M l’ ‘k+sw ’ymty

“Hilel dizia: Se eu n o for por mim, quem ser por mim? Mas se eu for s por mim, o que sou eu? E se n o agora, quando?”

Pirk Av t, Cap tulo 1, Mishn 14.

Agradecimentos

Agrade o, primeira e fundamentalmente, a D-us (\cjRLyhwh) o Deus de Avraham, Yitzchak e Ya’akov, que nos mantiveste vivos, preservaste-nos e nos fizeste chegar a este momento. minha m e Aparecida, a quem tenho a honra de dedicar esse trabalho, ao meu irm o Thiago e meu pai Jos . Ao professor Olivier Piguet, pela amizade ao longo destes anos de trabalho em conjunto, por fazer um centro de reuni o onde pude assentar-me aos seus p s e de frente a sua erudi o e sabedoria a fim de beber e absorver avidamente de suas palavras. Ao professor Daniel por sua confian a desde a gradua o e por ter sido essa ponte fundamental para esse trabalho. Ao professor Jos Helay l pelas incont veis refer ncias bem como por sua disposi o e carisma, sendo um referencial privilegiado no ensino e pesquisa no Brasil. Aos meus amigos da p s-gradua o, aos grandes amigos do grupo de pesquisa Ivan Morales e Zui Oporto pela amizade, pelos caf s filos ficos e companheirismo nesses anos de trabalho. Agrade o ao Fabiano e Carlos pela grande amizade e pelas in meras horas de almo o e conversas. Ao meu grande amigo Felipe Apol nio que mesmo estando t o distante quanto o pr -sal se faz presente com sua disposi o carisma e amizade. Camila Moraes por sua benevol ncia, carinho e dedica o para comigo em todas as situa es que temos vivido nesse um ano de ador vel conviv ncia que tem sido uma verdadeira m dica na nossa linha de mundo. Aos meus familiares que de maneira direta e indireta contribuiram para esse trabalho. Gabriela que fez parte integrante desse trabalho com muito carinho. Ao meu filho (in memoriam) que pelo pouco que viveu me transformou em uma nova pessoa e retirou-me de toda vis o m ope e superficial sobre a vida. Agrade o a todos brasileiros que contribuem ao desenvolvimento da Ci ncia em nosso pa s e tamb m queles que, atrav s da CAPES, concedem, a n s, estudantes, o necess rios apoio financeiro. A todos, meus mais sinceros agradecimentos.

Nota es e Conven es

Nota es e Conven es

Conven es

  • Os ndices do espa o-tempo D e D : e

  • Os ndices espaciais em D e D s o : e .

  • Os grupos de de Sitter e anti-de Sitter SO ser o denotados de maneira compacta como: (A)dS.

  • Os ndices e as correspondentes m tricas ser o denotadas por:

(1)
(2)

onde assume os valores para dS ou AdS, respectivamente. Os ndices de Lorentz SO D ser o denotados por , a m trica correspondente sendo . Essas m tricas e suas inversas permitem abaixar e subir os v rios ndices do grupo.

  • Os respectivos s mbolos de Levi-Civita s o definidos como

para o espa o interno, ou seja, do grupo de simetria, e

para o espa os-tempo D e D.

Base da lgebra de Lie

Uma base para lgebra de Lie (a)ds do grupo (A)dS pode ser dada por matrizes :

satisfazendo as rela es de comuta o de (a)ds

(3)

Pode-se decompor essa base de acordo com representa es do grupo de Lorentz D SO como

onde o par metro positivo introduzido relacionando-se com a constante cosmol gica () de uma teoria de gravita o em D. Dessa forma, as rela es de comuta o leem-se

(4)

com . Os dez geradores s o os geradores do grupo de Lorentz D, e juntos com os geradores , geram o grupo (A)dS para o espa o-tempo D. Os geradores podem ser representados por matrizes

A primeira linha das rela es de comuta o acima, a saber

(5)

mas dessa vez com a m trica , nos fornece as regras de comuta o da lgebra de Lie de (A)dS. Sua decomposi o de acordo com as representa es do grupo de Lorentz D s o

Analogamente introduzimos um par metro positivo para dimensionalizar corretamente o gerador associado a constante cosmol gica em uma teoria de gravita o em D. Assim

Al m disso, estaremos interessados na decomposi o completa de (A)dS de acordo com as representa es do grupo de Lorentz SO

(6)

Dimens es

As dimens es dos campos e dos par metros da teoria e dos geradores do grupo, dados em unidade de massa, s o:

Resumo

NEVES, Bruno Carvalho, D. Sc., Universidade Federal de Vi osa, setembro de . Um modelo de gravita o tipo-topol gico em um espa o-tempo D. Orientador: Olivier Piguet. Coorientadores: Daniel Heber Theodoro Franco e Oswaldo Monteiro Del Cima.



Nesse trabalho consideramos um modelo para gravita o em um espa o-tempo quadridimensional, originalmente proposto por Chamseddine, que pode ser obtido por uma redu o dimensional e trunca o de uma teoria de Chern-Simons pentadimensional. Sua origem topol gica, torna-o um candidato interessante para uma quantiza o mais f cil, por exemplo, na abordagem da quantiza o de la os. O presente trabalho dedicado a an lise cl ssica das propriedades do modelo. Solu es cosmol gicas, bem como solu es de onda, foram encontradas e comparadas com as solu es correspondentes da relatividade geral de Einstein com constante cosmol gica.

Abstract

NEVES, Bruno Carvalho, D. Sc., Universidade Federal de Vi osa, September, . A topological-like model for gravity in 4D space-time. Adviser: Olivier Piguet. Co-advisers: Daniel Heber Theodoro Franco and Oswaldo Monteiro Del Cima.



In this work we consider a model for gravity in -dimensional space-time originally proposed by Chamseddine, which may be derived by dimensional reduction and truncation from a -dimensional Chern-Simons theory. Its topological origin makes it an interesting candidate for an easier quantization, e.g. in the Loop Quantization framework. The present work is dedicated to a classical analysis of the model’s properties. Cosmological solutions as well as wave solutions are found and compared with the corresponding solutions of Einstein’s General Relativity with cosmological constant.

Introdu o e Motiva o

Usualmente apresenta-se a relatividade geral (RG) como uma teoria m trica, onde o campo din mico da teoria codificado exclusivamente na m trica do espa o-tempo. Essa descri o conhecida como formalismo de segunda-ordem. Contudo, ela pode ser reformulada como uma teoria din mica de conex es no chamado formalismo de primeira-ordem. Essa formula o coloca a relatividade geral mais pr xima s teorias de gauge que descrevem as demais intera es da Natureza. No entanto, com uma diferen a sut l na sua din mica. Em particular, enquanto a din mica das teorias de gauge do Modelo Padr o exigem uma geometria de fundo fixa, a saber espa o de Minkowski, a intera o gravitacional fundamentalmente diferente. A grande li o da relatividade geral que os graus de liberdade do campo gravitacional s o codificados na geometria do espa o-tempo. O espa o-tempo completamente din mico: a no o de um fundo fixo sobre o qual as “coisas acontecem” perde o sentido. O campo gravitacional define a geometria sobre a qual seus graus de liberdade bem como dos campos de mat ria propagam-se. Consequentemente, essa perda da no o familiar de um espa o-tempo como uma esp cie de “palco” onde a din mica dos demais campos se desdobra conhecida como uma teoria independente de fundo (background independence).

A gravita o, como descrita pela RG de Einstein, n o uma teoria de campos em um fundo curvo, mais do que isso, aquilo que chamamos de espa o-tempo uma entidade f sica din mica. Uma consequ ncia imediata que um quanta do campo gravitacional n o pode estar no espa o-tempo: eles devem construir o espa o-tempo. Com efeito, existem propostas para dete o de um comportamento an malo na propaga o da luz, em um espa o-tempo que emerge de uma teoria de gravita o qu ntica de la os (LQG) [1, 30, 31], devido a sua estrutura tipo-pol mero ou granular, que deveria produzir modifica es nas equa es de Maxwell [58]. Essa uma tarefa necess ria se desejamos compreender a estrutura do espa o-tempo em escalas pr ximas ao comprimento de Planck cm. Al m disso, h a esperan a de que uma teoria qu ntica da gravita o ir curar as singularidades da teoria no n vel cl ssico, tais como Big Bang e Buracos-Negros. Por outro lado, a aus ncia de uma no o preferencial de tempo implica que a hamiltoniana da teoria seja uma combina o linear de v nculos [75, 98]. Consequentemente, as equa es de movimento de Hamilton n o podem mais ser interpretadas como uma evolu o temporal, pelo contr rio, correspondem a um “movimento” ao longo das rbitas de gauge da RG. Nessa perspectiva, a no o de espa o-tempo torna-se secund ria e a interpreta o din mica da teoria parece ser problem tica.

A independ ncia de fundo da teoria implica que a sua formula o can nica traz tona o grupo de difeomorfismos como parte do grupo de gauge da RG. A LQG constru da como uma formula o de quantiza o can nica do espa o de fase da RG em termos das conex es tipo Yang-Mills de SU, o que nos introduz um grupo de simetria extra na formul o via a representa o de la os [1, 30, 111]. A presen a de simetrias de gauge nos leva, naturalmente, a exist ncia de rela es entre as vari veis do espa o de fase - definidas em uma superf cie tipo-espa o - conhecidas como v nculos. Esses v nculos, por sua vez, definiem uma lgebra atrav s dos par ntes de Poisson, e s o caracterizados como sendo os geradores infinitesimais das transforma es de gauge. Existem tr s tipo de v nculos locais nessa formula o: - chamado de v nculo de Gauss - geradores das transforma es de gauge de SU, tr s v nculos locais - v nculos vetoriais associados aos geradores dos difeomorfismos espaciais, e finalmente o v nculo escalar relacionado as simetrias de gauge remanescentes.

A quantiza o can nica de sistemas com simetrias de gauge conhecida como programa de Dirac-Bergmann [51, 93]. Esse algor timo aplicado quantiza o da RG na representa o de holonomias conhecido como LQG. Portanto, seguindo esse programa, devemos identificar todos os v nculos associados as vari veis do espa o de fase e promov -los a operadores auto-adjuntos que ir o atuar sobre o espa o de Hilbert, satisfazendo as rela es de comuta o e, finalmente, resolv -los. A dificuldade em se realizar esse programa tem trazido problemas de cunho matem tico tanto quanto de interpreta o f sica. Esse desafio levou a novas ideias de se abordar o problema tais como a formula o dos spin-foams [13], que foi constru da como uma alternativa para superar os problemas din micos da LQG bem como da defini o de quantidades observ veis. Portanto, na tentativa de se contornar essas dificuldades, repensa-se o problema atrav s da perspectiva de uma quantiza o via integral de caminho.

Por outro lado, essas dificuldades s o evitadas em teorias de cunho topol gico. Na s rie de trabalhos [70, 71, 72], estudou-se a quantiza o de la os em teorias topol gicas em dimens es mais baixas. O interesse em tais modelos reside no fato de eles compartilharem a propriedade de ser independente de fundo como na RG em D e poderem, em certos casos, representarem teorias de gravita o com resultados interessantes [45]. Al m disso, sabido que em teorias topol gicas gen ricas [79] o difeomofismo temporal n o independente dos difeomorfismos espaciais e das demais simetrias de gauge. Em outras palavras, o difeomorfismo temporal pode ser escrito em termos dos difeomorfismos espaciais e das transforma es de gauge internas, o que facilita muito a aplica o das t cnicas de quantiza o via la os pois nesse caso o v nculo hamiltoniano ou escalar consequ ncia dos demais.

Em nosso trabalho, propomos a investiga o de problemas mais atuais da gravita o. A RG em um espa o-tempo -dimensional com ou sem constante cosmol gica, na aus ncia de mat ria, pode ser descrita como uma teoria de Chern-Simons tendo como grupo de calibre, ou seja, como simetria local o grupo de Poincar ou (anti-) de Sitter. Essa teoria de cunho topol gico, isto , sem uma estrutura m trica dada a priori, mostrou-se ser ausente de graus de liberdade locais. No entanto, M. Ba ados e seus colaboradores [79] mostraram que as teorias de Chern-Simons em dimens es mais altas, mesmo sendo constru das via o mesmo padr o topol gico que em dimens es, possuem, em geral, graus de liberdades locais n o-nulos. Apresentamos como motiva o do trabalho um modelo, devido a Chamseddine [9, 10], de gravita o em dimens es obtida de uma teoria de Chern-Simons em dimens es, via o processo de Kaluza-Klein de redu o dimensional, tendo como grupo de calibre o grupo de (A)dS SO ou SO. Mais especificamente, a proposta do presente trabalho investigar a din mica do modelo de Chamseddine e comparar suas solu es com as solu es da teoria de Einstein convencionais.

O presente trabalho come a no Cap tulo com uma breve revis o sobre o formalismo de Einstein-Cartan bem como elementos do c lculo exterior. No Cap tulo fazemos a deriva o do modelo de Chamseddine em D - cuja invari ncia de gauge a de de Sitter SO ou anti-de Sitter SO - de uma teoria de Chern-Simons em D, sob o grupo de simetria local SO ou SO, via uma redu o dimensional e trunca o de alguns campos. Mostramos que a teoria, atrav s de uma boa escolha de fixa o de gauge, se reduz a uma teoria de gravita o com tor o interagindo com um campo escalar tipo-dilaton. Mostramos que as equa es de campo da teoria de Chamseddine s o solu es especiais da teoria de Chern-Simons completa reduzida a D. As aproxima es lineares s o estudadas no Cap tulo , o que nos leva ao limite newtoniano e a presen a de solu es de ondas gravitacionais. Al m disso, fizemos um estudo sobre as solu es cosmol gicas da teoria e sua compara o com o modelo CDM. Conclus es e Perspectivas s o apresentadas no Cap tulo . Tr s ap ndices apresentando alguns detalhes operacionais foram anexados. Esse trabalho rendeu a publica o de um artigo [69] que de acesso aberto ao p blico.

Capítulo 1 Formalismo de Einstein-Cartan

1.1 O Formalismo de Gauge da Gravita o

A relatividade geral , antes de tudo, uma teoria que descreve com grande acuidade a gravita o. Desde sua g nese, por volta do ano de , ela vem sendo testada e corroborada por in meros experimentos terrestres bem como observa es astron micas [35]. Em , um ano ap s a formula o das equa es de campo da relatividade geral, Einstein previu que no limite de lineariza o de suas equa es, essas apresentavam solu es que previam a exist ncia de ondas gravitacionais. Um s culo ap s essas predi es de Einstein, a equipe do LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) anunciou a primeira detec o direta de ondas gravitacionais [25, 26]. Mais uma vez os experimentos corroboram que, de fato, a descri o da gravita o einsteiniana nos concede um esquadrinhamento preciso da natureza. Lev Landau considerou, acredito que com muita raz o, a relatividade geral como: “the most beautiful of the scientific theories”. Entretanto, a relatividade geral muito mais do que isso. Ela uma modifica o na nossa compreens o da natureza do espa o-tempo cujo conte do ainda possui consequ ncias insondadas. Essa se o n o tem a pretens o de uma introdu o a relatividade, muito menos uma descri o exaustiva de toda amplitude da teoria. Para isso, convido ao leitor aos livros textos cl ssicos de refer ncia [19, 20, 34, 85, 98, 106]. Com efeito, darei apenas uma curta apresenta o do formalismo em sua vers o mais moderna, enfatizando as caracter sticas fundamentais, bem como o verdadeiro conte do f sico por tras do fen meno gravitacional que sua invari ncia de gauge.

A relatividade geral usualmente apresentada como uma teoria m trica, onde o campo din mico da teoria codificado exclusivamente na m trica do espa o-tempo. Essa descri o conhecida como formalismo de segunda-ordem. Contudo, ela pode ser reformulada como uma teoria din mica de conex es no chamado formalismo de primeira-ordem. Essa formula o coloca a relatividade geral mais pr xima s teorias de gauge que descrevem as demais intera es da Natureza, no entanto, com uma diferen a sut l na sua din mica. Em particular, enquanto a din mica das teorias de gauge do Modelo Padr o exigem uma geometria de fundo fixa, a saber espa o de Minkowski, a intera o gravitacional fundamentalmente diferente. A grande li o da relatividade geral que os graus de liberdade do campo gravitacional s o codificados na geometria do espa o-tempo. O espa o-tempo completamente din mico: a no o de um fundo fixo sobre o qual as “coisas acontecem” perde o sentido. O campo gravitacional define a geometria sobre a qual seus graus de liberdade bem como dos campos de mat ria propagam-se. A relatividade geral n o uma teoria de campos em um fundo curvo, mais do que isso, aquilo que chamamos de espa o-tempo uma entidade f sica din mica. Uma consequ ncia imediata que um quanta do campo gravitacional n o pode estar no espa o-tempo: eles devem construir o espa o-tempo. Essa perda da no o familiar de um espa o-tempo como uma esp cie de “palco” onde a din mica dos demais campos se desdobra conhecida como uma teoria independente de fundo (background independence).

A fim de identificar a invari ncia de gauge associada a intera o gravitacional, isto , a possibilidade de escrever as equa es de Einstein num formalismo tipo Yang-Mills, tendo o grupo de Lorentz (n o compacto) como grupo de simetria local [81, 110, 112], precisamos fazer algumas considera es sobre um princ pio b sico da relatividade geral, a saber, princ pio da equival ncia.

Pouco tempo depois da sua descoberta da relatividade especial, Einstein observou, em seus famosos experimentos mentais, que o efeito da gravita o pode ser neutralizado. Portanto, ele percebeu que um observador que estivesse em queda livre n o seria capaz de sentir seu pr prio peso. Em outras palavras, em um elevador em queda livre, o efeito da gravita o pode ser eliminado. No entanto, esse “truque” muito restrito, ou seja, funciona apenas localmente: o laborat rio ou o elevador tem de ser pequeno o suficiente e o tempo do experimento curto o suficiente para que nenhuma inomogeneidade do campo gravitacional seja percebida. Sob tais condi es, experimentos realizados em queda livre s o indistingu veis daqueles realizados na aus ncia de gravita o. Naturalmente, as leis da f sica estar o sob o regime de validade do espa o de Minkowski. Portanto, isso significa que, em uma vizinhan a local, o espa o-tempo possui invari ncia de Lorentz. Em cada ponto do espa o-tempo, podemos obter um referencial cujo movimento inercial. Para que essa invari nica seja manifestada, necess rio fazermos uma transforma o de coordenadas apropriada a um sistema de refer ncia inercial particular. Denotemos por as coordenadas locais definidas pelo referencial inercial e seja as coordenadas arbitr rias n o necessariamente inerciais. As coordenadas podem ser expressadas como fun es

das coordenadas arbitr rias . Nas coordenadas , a n o linearidade do movimento interpretada como o efeito de um campo gravitacional. Portanto, gravita o a informa o codificada na mudan a de coordenadas que nos leva de um sistema arbitr rio a um inercial. Essa informa o est contida na fun o que relaciona os sistemas de coordenadas . Mas como discutido acima, apenas valores dessas func es em uma vizinhan a pequena o suficiente relevante, pois se nos afastarmos muito dessa regi o, o sistema local de refer ncia inercial ir mudar. Podemos fazer uma expans o em Taylor, se consideramos que a origem seja associada ao evento a ser analisado, e que ; a nica contribui o que devemos guardar seria em primeira ordem. Da ,

(1.1)

define como podemos passar de um conjunto de coordenadas arbitr rias para um inercial. A quantidade nada mais que o jacobiano dessa transforma o em particular que guarda em si a informa o do campo gravitacional presente na regi o. Definimos o a quantidade

como vierbein111Vierbein uma palavra do alem o que a conjun o de vier que sigifica quatro com bein que traduzido como perna, logo vierbein igual a quatro pernas. ou tetrada, respons vel por nos informar sobre a presen a local do campo gravitacional. Naturalmente essa constru o n o se restringe ao nosso ponto em particular e pode ser concebida em cada ponto . E, portanto, a quantidade

(1.2)

o campo gravitacional no ponto .

O campo gravitacional , portanto, representado pela matriz jacobiana da transforma o de coordenadas de para as coordenadas localmente inerciais . De maneira mais precisa, nos informa que sendo espa o-tempo uma variedade diferenci vel , em cada ponto existe um espa o tangente , que uma boa aproxima o de nas vizinhan as de . Esse espa o tangente um sistema de refer ncia local e inercial, ou seja, em queda livre como indicado pelo princ pio da equival ncia. O fato de medi es poderem ser feitas independentes da escolha do referencial e poderem ser traduzidas a um referencial inercial, significa que existe um isomorfismo entre tensores em e tensores em , de maneira que esses s o definidos em , representado atrav s de um mapeamento linear chamado de vierbein, que de fato faz uma troca de base em .

Podemos definir a separa o entre coordenadas de dois pontos infinitesimalmente pr ximos em . Sua correspond ncia com a separa o no referencial em queda livre ser

Como o espa o tangente um espa o de Minkowski local, consequ ncia do princ pio da equival ncia, ele possui naturalmente uma m trica que define a m trica em atrav s do isomorfismo (campo gravitacional) . De fato, o elemento de linha

onde

(1.3)

a m trica em , induzida pelo vierbein e a m trica do espa o tangente local .

Essa rela o nos mostra que dado podemos derivar a m trica do espa o-tempo e, portanto, todas as propriedades da m trica est o codificadas no vierbein. Muitas vezes pensa-se em como a “ra z quadrada” da m trica. Se sabemos podemos facilmente calcular . Portanto, podemos considerar como sendo o verdadeiro campo fundamental da teoria capaz de revelar a verdadeira simetria da relatividade geral, invari ncia de Lorentz local, e a m trica como um campo secund rio. A rec proca, no entanto, n o verdadeira: dada uma m trica , existe uma infinidade de escolhas poss veis de que reproduzem a mesma m trica. Essa perda da unicidade na defini o do vierbein, dada uma m trica a priori, facilmente verificada. O fato de irmos da descri o estamos ganhando uma simetria extra, pois podemos fazer “rota es” de Lorentz sobre essa nova base de modo que a m trica n o consiga perceber essa simetria local. Em outras palavras, poss vel fazer transforma es de Lorentz sobre o vierbein de maneira a serem indetect veis do ponto de vista da variedade . Sob uma transforma o de Lorentz, o vierbein transforma-se como

(1.4)

onde a matriz SO. Pela defini o do grupo de Lorentz SO, a transforma o deixa a m trica do espa o tangente invariante,

de maneira mais compacta temos

A m trica claramente n o percebe as transforma es de simetria feitas em . Isso significa, em particular, que existem mais componentes independentes, ou melhor, mais graus de liberdade em do que em . De fato o vierbein possui componentes independentes enquanto a m trica, por ser sim trica, apenas . A pergunta que nos fazemos : se as descri es s o equivalentes como poss vel haver mais graus de liberdade nos vierbein? A resposta reside justamente, no conte do de gauge que se revela atrav s das transforma es de Lorentz locais. Temos exatamente, poss veis transforma es de Lorentz independentes ( rota es e boosts) que nos conecta a essa simetria local associada ao vierbein. Assim, a observa o de Einstein de que o princ pio de equival ncia uma caracter stica central na relatividade geral, implica que as transforma es de SO aparecem como a verdadeira simetria de gauge local da gravita o.

Naturalmente, uma mudan a de base ou de coordenadas deve ser invers vel. Assim, deve existir uma matriz de modo que

Vimos que o campo gravitacional age como uma esp cie de projetor, isto , via essa mudan a particular de coordenadas podemos trazer todos os campos da variedade a um espa o tangente local. Em outras palavras, existe uma cole o de espa os tangentes que a cada ponto da variedade definem a a o do grupo de simetria local (Lorentz, SO), e matematicamente isso nos leva a uma estrutura de fibrados [28, 87, 110]. Portanto, os campos de gauge do espa o-tempo ser o representa es locais do grupo interno. De fato, o grupo de Lorentz restrito, isto , pr prio e ort chrono [12, 52] ( e ), isto , conexo com a identidade, um grupo de Lie cont nuo com par metros, e uma transforma o geral pode ser representada pela exponencial dos geradores da lgebra so, como segue

A matriz anti-sim trica e cont m par metros reais, enquanto os geradores satisfazem a lgebra de Lie do grupo SO:

(1.5)

Sabemos das teorias de gauge[43] que para levarmos um grupo de simetria global ao n vel local, devemos introduzir uma deriva o covariante, constru da com os campos de gauge associados a simetria. Portanto, se e, vemos imediatamente que a derivada parcial n o mais covariante devido ao par metro ,

A covari ncia sob transforma es locais pode ser recuperada atrav s da introdu o de uma conex o de gauge, de maneira a obtermos uma derivada que seja, de fato, covariante. No caso mais simples de uma teoria abeliana, como a eletrodin mica, o potencial vetor faz esse papel. Assim,

(1.6)

onde seria a carga (gerador) associado a simetria, na eletrodin mica, seria a carga el trica . Nos casos n o-abelianos [53, 60, 96], como veremos em particular no SO, essa carga ser obtida atrav s dos geradores, produzindo o que se chama de lgebra de Lie valorada

(1.7)

Dessa forma deve se transformar como

ou de forma mais compacta, considerando

(1.8)

Portanto, no caso de Lorentz local, os par metros passam a depender das coordenadas do espa o-tempo . Precisamos associar aos geradores do grupo, campos de gauge , onde

(1.9)

representando as componentes da chamada conex o de Lorenz, ou conex o de spin, e introduzindo a derivada covariante, definida por:

(1.10)

Naturalmente, para que a derivada covariante se transforme como o pr prio campo sob SO local, a conex o de spin deve obedecer a seguinte lei de transforma o:

(1.11)

Um exemplo de aplica o desse conceito de derivada covariante associa-se com a tentativa de introdu o de mat ria fermi nica na gravita o. A representa o espinorial ir nos permitir acoplar f mions de Dirac com o campo gravitacional. Com efeito, seja , onde os geradores assumem a seguinte forma:

Nesse caso, um campo com quatro componentes complexas, transformando-se como um espinor da representa o do grupo de Lorentz, e s o as matrizes de Dirac satisfazendo a chamada lgebra de Clifford [54, 88],

Com nossa conven o de assinatura de m trica temos em particular,

A forma expl cita das matrizes de Dirac depende da escolha da sua representa o. Para o prop sito do nosso exemplo de aplica o n o ser necess rio abordarmos esse contexto. Segue que a derivada covariante para um espinor de Dirac assume a forma:

(1.12)

Nesse ponto vale a pena notarmos que essa simples introdu o dos f rmions de Dirac na gravita o, via o formalismo de primeira ordem, n o se processa na formula o m trica usual einsteiniana da relatividade geral. Pois o grupo de simetria o grupo de difeomorfismos e n o possui representa o finita e/ou espinorial. De fato, o grupo de simetria da relatividade geral n o apresenta representa o espinorial [116]. Portanto, a formula o do campo gravitacional como uma m trica pseudo-riemanniana n o pode estar fundamentalmente correta [30, 31], justamente pelo fato de n o permitir acoplamento fermi nico, e os f rmions existem no universo. Assim, precisamos do formalismo do vierbein para acoplar a din mica de f rmions regida pela equa o de Dirac

Consideremos agora a aplica o da derivada covariante a um campo vetorial . Nesse caso, os geradores s o da forma

Implicando que a derivada covariante assuma a forma

e assim por diante. Sabendo em qual representa o do grupo local o campo se situa podemos construir a derivada covariante. Para obtermos a derivada covariante de um vetor covariante , podemos partir de considera es do produto escalar , e

Portanto, lembrando que a derivada covariante de um escalar sob o grupo a pr pria deriva o parcial sem termos de conex o, segue-se que

(1.13)

E assim sucessivamente para tensores de rank arbitr rio.

Seguindo as nossas conven es de regra de diferencia o covariante, vemos que a a o da conex o de spin segue um padr o espec fico nos ndices de Lorentz dos campos, e deve possuir o sinal positivo quando agir sobre vetores contravariantes, e um sinal negativo para os covariantes. Para ndices mistos, temos

(1.14)

Assim, vemos a analogia com a derivada covariante para vetores da variedade , utilizada no formalismo m trico da relativiade geral [21, 22, 44, 97, 108].

1.2 Metricidade, Tor o e Curvatura

Vimos na se o anterior que o formalismo de vierbein nos possibilita escrever todas as quantidades geom tricas da variedade no espa o tangente . Em outras palavras, os vierbein nos fornecem uma transforma o de coordenadas espec fica, baseada no princ pio da equival ncia, onde as quantidades da variedade podem ser projetadas ponto a ponto no espa o tangente. Al m do mais, para as quantidades projetadas podemos introduzir o conceito de uma derivada covariante, justamente pelo fato da simetria ser local, baseada na conex o de Lorentz que seja capaz de preservar a invari ncia local do espa o tangente de Minkowski. Todo esse formalismo mostra-se consistente com a covari ncia sob difeomorfismos associada a variedade (pseudo)riemanniana.

A pergunta que se segue : seria poss vel conectar ou estabeler uma correspond ncia entre os formalismo de primeira e segunda ordem? Em particular, entre as derivadas de Lorentz e de Riemann, entre a conex o de Christoffel ()222Em geral, tanto a m trica quanto a conex o afim s o necess rias para descri o completa da geometria do espa o-tempo. Se e s o quantidades completamente independentes ent o temos uma variedade equipada com uma estrutura geom trica e afim. Por outro lado, se for determinada completamente por , implica que a m trica, por si s , capaz de dar uma descri o completa e suficiente da geometria da variedade. De fato, Einstein em sua formula o da gravita o faz uso da variedade assumindo que est contendo apenas uma estrutura m trica, isto , ele assume a conex o de Levi-Civita conhecida como o s mbolo de Christoffel: e a conex o de spin (). Sendo poss vel essa correspond ncia, assim como pode ser escrito em termos da m trica , e como uma fun o do vierbein , poder amos esperar a exist ncia de uma rela o precisa que nos d a conex o de spin como uma fun o do vierbein . Portanto, a pergunta que tamb m iremos respoder : haveria, de fato, alguma vantagem na descri o do formalismo de primeira ordem? Existe algum ganho de informa o na descri o de gauge da relativade geral, ou s o completamente equivalentes?

Para come armos a responder essas perguntas, notemos que o vierbein carrega tanto ndice de grupo local quanto de variedade. Logo, ele deve sentir uma varia o tanto do fibrado [87, 110] tangente de , , quanto do fibrado de Lorentz . Com efeito, podemos definir uma derivada covariante para objetos com ambos os ndices, tais como o vierbein,

(1.15)

Assim como a conex o de Levi-Civita compat vel com a m trica (metricidade), isto , , iremos demandar que seja compat vel com o vierbein, isto , . Isso implica que

(1.16)

onde separamos os ndices do espa o-tempo em sua combina o sim trica e anti-sim trica, e usamos o fato de que a conex o de Levi-Civita n o possui parte anti-sim trica. Dessas equa es vemos imediatamente a exist ncia da seguinte rela o entre a conex o de spin e a conex o de Levi-Civita,

(1.17)

Naturalmente, podemos generalizar o caso para uma rela o entre a conex o de spin e uma conex o que n o seja necessariamente de Levi-Civita. Da condi o de metricidade para o vierbein e, usando-os para projetar ndices entre o epa o tangente e os ndices da variedade, temos para a parte anti-sim trica, segundo (1.16)

(1.18)

onde . interessante notar que a presen a da parte anti-sim trica na conex o n o necessariamente exclu da pela condi o de metricidade, e podemos calcular levando em considera o contribui es n o-nulas da parte anti-sim trica de chamadas de Tor o [84, 94]. Assim, podemos obter a conex o de spin mais geral que seja compat vel com a condi o de metricidade do veirbein.

Para facilitar as contas iremos projetar todos os ndices da rela o acima no espa o tangente (contraindo-os com o uso do vierbein ): obtemos

(1.19)

onde

(1.20)

s o chamados de coeficientes de rota o de Ricci. Escrevendo a rela o acima com suas permuta es c clicas dos ndices , temos:

Somando as duas primeiras equa es e subtraindo a terceira, e usando as propriedades de simetria , encontramos a seguinte rela o para a conex o de spin

(1.21)

Finalmente, podemos colocar o resultado acima na forma usualmente conhecida, subindo os ndices e , e projetando o ndice na variedade: chega-se assim a seguinte forma

(1.22)

onde

(1.23)

a chamada conex o de Levi-Civita (conex o com tor o nula), e

(1.24)

o tensor de contor o que formado por essa combina o dos termos da tor o. Enfim, das equações (1.18-1.24) segue a seguinte expressão para a torsão:

(1.25)

A fim de completarmos nossa pequena apresenta o desse formalismo geom trico baseado no vierbein bem como nas conex es de gauge, ainda precisamos de uma express o para a curvatura. Depois de escrevermos o tensor de Riemann em termos dessas novas vari veis din micas seremos capazes de expressar as equa es de Einstein usando essa nova abordagem. Veremos pelo princ pio da a o que os dois formalismos se equivalem, por m, somos capazes de mostrar que a condi o de tor o nula n o uma necessidade a priori, mas um resultado das equa es de movimento. Atrav s do formalismo de primeira ordem fomos capazes de descortinar e trazer tona a verdadeira invari ncia por tr s da gravita o, a saber, a gravita o uma teoria de gauge sob o grupo de Lorentz local como vimos333Alguns grupos de pesquisa n o concordam que o grupo de simetria local da gravita o seja Lorentz. Assumem como grupo local o grupo de Poincar o que leva a novos insights interpetativos. Nessa formula o, o papel da Tor o torna-se ainda mais relevante, como o caso da abordagem do Teleparalelismo[63, 82].

Todavia, existe uma diferen a de suma import ncia entre a relatividade geral e as teorias de gauge convencionais, devido ao fato de que a a o de Einstein-Hilbert linear, ao inv s de quadr tica, no campo de Yang-Mills, isto , na curvatura. A raz o f sica para esse fato que no caso da gravita o, a conex o de gauge apresente-se como uma fun o de outro campo, a saber, o vierbein - que de fato a vari vel din mica fundamental. Entretanto, isso n o exclui a possibilidade de considerar modelos de gravita o contendo pot ncias mais altas na curvatura [8, 64, 102].

1.3 Elementos do C lculo Exterior

Essa se o n o cont m nenhuma no o f sica a mais, mas tem o prop sito de reescrever em uma linguagem mais moderna os resultados anteriores. Essa a linguagem do formalismo das formas diferenciais ou c lculo exterior. Com esse formalismo poderemos reescrever as equa es anteriores de uma maneira mais compacta, onde os ndices tensorias do espa o-tempo estar o “escondidos”, de maneira precisa, nas pr prias vari veis din micas. Portanto, as formas diferenciais s o objetos extremamente pr ticos, primeiro porque essa nota o nos permite escrever quantidades tensoriais de maneira independente da escolha particular de coordenadas, segundo, todo o formalismo matem tico, tais como a ideia de deriva o, covari ncia, etc., torna-se bem simples com o uso do c lculo exterior. A ideia dessa se o est longe de fornecer uma introdu o rigorosa ou exaurir o conte do desse assunto. Todavia, ser uma se o pedag gica e com a finalidade pr tica e instrumental do assunto. Para uma busca de verticalidade e precis o matem tica do assunto o leitor poder consultar as refer ncias [23, 24, 29, 41, 68, 83, 89, 101, 117].

Uma -forma definida como uma quantidade tensorial com a propriedade de ser completamente anti-sim trica, o que reduz dr sticamente as poss veis constru es desses objetos. Uma -forma escreve-se, num sistema de coordenadas , como

onde denota um campo tensorial covariante completamente anti-sim trico de rank , onde a dimens o da variedade considerada . Com efeito, o requerimento de ser completamente anti-sim trica v ncula o rank das formas com a dimens o da variedade. Consequentemente, o rank m ximo que podemos obter para uma -forma ser sempre menor ou igual a dimens o da variedade considerada. sempre que , e denota o produto exterior tal que

Os objetos e seus produtos exteriores formam uma base para as formas. Isto bem simples de se ver, pois os diferenciais transformam-se como vetores contravariantes:

Denota-se o conjunto de todas as -formas por , que um espa o vetorial, ou seja, se e s o -formas, ent o e , tamb m o s o. Novamente, se , ent o ir conter apenas o elemento nulo:

Para vermos isso, seja uma -forma, logo caracterizado por suas componentes

mas se , dois dos ndices devem sempre coincidir (pois cada ndice pode assumir valores apenas at a dimens o da variedade ), da segue que se anula. Portanto, no caso de -formas, n o podemos contruir uma infinidade de fam lia de tensores, isto , nosso espa o vetorial ir possuir dimens o

Devemos notar que e possuem a mesma dimens o, ou seja, uma -forma possui o mesmo n mero de componentes independentes que uma -forma, ou seja, dim dim . Essa propriedade estabelece o conceito de dualidade entre esses dois espa os, um isomorfismo que obtido atrav s da opera o Hodge , muitas vezes chamado de opera o de dualidade.

A opera o de dualidade transforma uma -forma em uma -forma e sua a o definida por:

(1.26)

onde

o tensor m trico e . Em uma variedade curva com m trica temos

Em geral tomamos o valor absoluto do determinante da m trica e n o apenas , pois dependendo da dimens o e da assinatura da m trica est poder produzir um determinante negativo. Em outras palavras, dependendo do n mero de componentes tipo-espa o (par ou mpar) teremos ou . Podemos normalizar o s mbolo de Levi-Civita a unidade (conven o), isto , mas devemos tomar cuidado com seu correspondente covariante. Lembrando que levantamos e abaixamos os ndices via m tria ou sua inversa assim,

fazendo-se uso da f rmula de Caley para o determinante

Uma propriedade interessante sobre a opera o de dualidade que em geral o dual do dual de uma -forma, n o necessariamente, retorna o valor original da -forma

O fator vem das regras de produto de tensores completamente anti-sim tricos, em dimens es espaciais (e com as nossas conven es),

As leis do produto tornam-se, em geral,

onde determinante dos deltas de Kronecker. O fator , por outro lado, vem dos rearranjamentos de ndices de com ndices do seu dual (esse rearranjamento necess rio para que os ndices de possam se encaixar com a defini o das regras de produto definidas acima.) Para uma prova dessas proposi es vide [24, 100].

Assim, se considerarmos o espa o euclidiano -dimensional, podemos construir as seguintes formas

(1.27)

que s o uma -forma e uma -forma respectivamente. A pr xima quantidade completamente anti-sim trica poss vel de se construir em um espa o -dimensional seria uma -forma

(1.28)

onde

Com a propriedade de anti-simetria na ordem do produto .

Vejamos um exemplo sobre a dualidade no espa o euclidiano -dimensional. Nesse caso, uma -forma guarda o mesmo conte do de informa o de uma -forma. Portanto, seja uma -forma (com ), o dual ser . Em termos matriciais l -se, considerando :

assim, vemos que a -forma que o dual de um vetor possui o mesmo conte do de informa o que um vetor em D. Poder amos tomar o dual de , onde vemos que nesse caso particulas de espa o euclidiano retornamos ao vetor original

portanto,

De modo geral o produto exterior de duas formas e segue a regra

(1.29)

que uma -forma, com ndices completamente anti-sim tricos. Para vermos como esse conceito de produto exterior generaliza a ideia de produto vetorial do c lculo vetorial usual, vamos novamente conseiderar o espa o euclidiano D. Seja, e -formas, tal que